sexta-feira, 13 de julho de 2012

Meus tantos caminhos me levam a Deus

© Letícia Thompson

Nem todos os caminhos podem ser evitados, apesar de todos os nossos esforços para seguir outra ou outras direções.

Podemos decidir estar aqui ou ali, fazer isso ou aquilo e sonhar milhões de sonhos que temos certeza de que, pelo menos um deles será realizado segundo nossos planos e as ações que tentamos colocar em obra para a realização deles. Mas entre nós e Deus há a distância dos céus e do conhecimento de todas as coisas.

Meu coração, tão humano, frágil e sujeito à provações e dores conhece apenas meus desejos e o que vai além disso é do domínio do meu Criador. Aceitar sem questionar, sem querer saber do amanhã ou do depois ou dos porquês que, à bem da verdade, nem sempre nos reconfortarão, é depositar em Deus uma confiança absoluta e cega. Não nos preparamos o suficiente para isso nesse longo caminho da existência. Portanto, deveríamos.

Deus nos planta em algum lugar, nos cerca de amigos, nos dá os dias e noites necessários a esse tempo e todas as vivências que, por onde quer que andemos depois, estarão impregnados eternamente em nós.

Quando devemos mudar de planos, caminhos, direções, nossa estabilidade sofre porque a segurança vem da constância. A gente não percebe que a terra gira, que ela está em movimento e que todas as coisas sempre estão em movimento, desde as crianças que nascem aos mais vividos que voltam às suas origens.

São as mudanças que nos enriquecem, que nos mostram novas paisagens, trazem novos planos e nos fazem encontrar novas pessoas e novas coisas.

Ter muitos porquês nos impede de viver. Crer em Deus e nos Seus planos nos traz a serenidade que só a fé pode trazer e nos conduz à fonte do prazer de viver, da qual beberemos e da qual seremos saciados.


Nenhum comentário:

Postar um comentário