quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Em clima de despedida, Castel Gandolfo acolhe Bento XVI

Despedida

Fiéis recebem Bento XVI com faixas e muitos aplausos de gratidão ao Pontífice
André Alves Da redação

A pequena cidade de Castel Gandolfo recebeu o Papa Bento XVI, na tarde desta quinta-feira, 28, após ter deixado o Vaticano para o fim de seu pontificado. O helicóptero do Papa pousou na cidade situada na região do Lácio, na Itália, às 17h24 (horário de Roma), às 13h24 pelo horário de Brasília.
Bento XVI chega a Castel Gandolfo

Bento XVI é acolhido por fiéis em Castel Gandolfo. (Foto: Centro Televisivo do Vaticano)

Já na sacada da residência, com breves palavras, o Papa se dirigiu ao povo agradecendo o carinho com que foi recebido e afirmando que se sente muito bem com a presença de cada fiel.
Bento XVI destacou que os próximos dias em Gandolfo serão, não como Pontífice, mas como peregrino, “um peregrino que conclui a última etapa de sua peregrinação”, disse ele.
“Gostaria ainda, com meu coração, trabalhar pelo bem comum, pelo bem da Igreja e da humanidade. Vamos em frente com o Senhor pelo bem da Igreja e do mundo”, afirmou.
O Papa concluiu a breve fala abençoando os fiéis e desejando a todos uma boa noite.
Milhares de fiéis aguardavam a chega de Bento XVI em frente à residência pontifícia onde ficará hospedado o Santo Padre até o término do Conclave.
Os fiéis recepcionaram o Santo Padre com faixas expressando apoio oracional e palavras de gratidão ao Pontífice que, durante quase oito anos, governou a Igreja de Cristo.

Mensagem de Papa Bento XVI

quarta -feira- 27/02/2013

"Queridos irmãos e irmãs,
No dia 19 de abril de 2005,, quando abracei o ministério petrino, disse ao Senhor: «É um peso grande que colocais aos meus ombros! Mas, se mo pedis, confiado na vossa palavra, lançarei as redes, seguro de que me guiareis». E, nestes quase oito anos, sempre senti que, na barca, está o Senhor; e sempre soube que a barca da Igreja não é minha, não é nossa, mas do Senhor. Entretanto não é só a Deus que quero agradecer neste momento. Um Papa não está sozinho na condução da barca de Pedro, embora lhe caiba a primeira responsabilidade; e o Senhor colocou ao meu lado muitas pessoas que me ajudaram e sustentaram. Porém, sentindo que as minhas forças tinham diminuído, pedi a Deus com insistência que me iluminasse com a sua luz para tomar a decisão mais justa, não para o meu bem, mas para o bem da Igreja. Dei este passo com plena consciência da sua gravidade e inovação, mas com uma profunda serenidade de espírito.
Amados peregrinos de língua portuguesa, agradeço-vos o respeito e a compreensão com que acolhestes a minha decisão. Continuarei a acompanhar o caminho da Igreja, na oração e na reflexão, com a mesma dedicação ao Senhor e à sua Esposa que vivi até agora e quero viver sempre. Peço que vos recordeis de mim diante de Deus e sobretudo que rezeis pelos Cardeais chamados a escolher o novo Sucessor do Apóstolo Pedro. Confio-vos ao Senhor, e a todos concedo a Bênção Apostólica."

27/02/13 19:49:13
Amar a Igreja significa também ter a valentia de tomar decisões difíceis, tendo sempre presente o bem da Igreja, e não o de si próprio", disse.

O pontífice, de 85 anos, afirmou que "não vai abandonar a Cruz" e que, pela oração, vai continuar a serviço da Igreja.

"Minha decisão de renunciar ao ministério petrino não revoga a decisão que tomei em 19 de abril de 2005 (ao ser eleito Papa)", disse.

"Não abandono a cruz, sigo de uma nova maneira com o Senhor Crucificado, sigo a seu serviço no recinto de São Pedro", completou.

Bento XVI também pediu que os fiéis orem pelos cardeais que, após a renúncia, terão de eleger seu sucessor, em uma tarefa que ele considera difícil.
"Orem pelo meu sucessor! Que Deus os acompanhe", disse o Papa, despedindo-se dos fiéis.

CF na catequese - Pesquisa

FRATERNIDADE E JUVENTUDE
EIS-ME AQUI, ENVIA-ME (Is 6,8)

PESQUISA SOBRE A MUDANÇA DE EPÓCA DA JUVENTUDE
Passos:
1) Os catequizandos deverão pesquisar com pessoas de idade diferentes sobre sua juventude.
2) Após colherem os dados, faremos juntos uma coleta e exposição de todas as informações.
3)  Verificar as principais mudanças ocorridas: o que melhorou, o que piorou, o que devemos resgatar, o que devemos eliminar.Como poderemos fazer isso?
Questionário: 
Sabemos que a juventude depende do Espírito e não do corpo, porém essa pesquisa visa analisar a juventude de acordo com a idade vivida entre 15 e 25 anos.

1º entrevistado – mais de 50 anos
a)      Em sua época como eram os namoros? (conhecer, passear...)
b)      Como era a relação com os pais? (respeito, colaboração nos serviços ....
c)       Como viviam a religião?
d)      Como se divertiam?
e)      Quais eram seus sonhos (pessoais) para o futuro?
f)       Quais eram seus medos?
2º entrevistado – entre 30 e 40 anos
(as mesmas perguntas do 1º entrevistado)
3º entrevistado- 15 a 25 anos
 a)      Quais as maiores dificuldades em arrumar um namorado (a)nos dias de hoje?
b)      Qual sua relação com seus pais?
c)       Como você vive sua religião? Participa da comunidade? Como?
d)      Como você se diverte?
e)      Quais seus sonhos para o futuro?
f)       Quais seus medos no mundo de hoje?
g)      Se pudesse o que mudaria no mundo para os jovens?

*Entrevista elaborada por Carina Zanin - Catequista em Varginha-MG

O que conseguimos enxergar???

Essa dinâmica é maravilhosa, se aplicada em nossa vida, nós dá um belo chacalhão... Porém, hoje gostaria que a leitura fosse feita, com o olhar do catequista, voltado para a realidade da catequese em sua paróquia... O que mais chama atenção, o ponto negro ou a dimensão da folha em branco? Só para refletirmos um pouquinho...

O PONTO NEGRO
Certo dia, um professor entrou na sala de aula e disse aos alunos para se prepararem para uma prova relâmpago. Todos se sentiram assustados com o teste que viria.
O professor entregou então, a folha com a prova virada para baixo, como era de costume...
Quando puderam ver, para surpresa de todos, não havia uma só pergunta ou texto, apenas um ponto negro no meio da folha.

O professor analisando a expressão surpresa de todos, disse: - Agora vocês vão escrever um texto sobre o que estão vendo.
Todos os alunos, confusos, começaram a difícil tarefa. Terminado o tempo, o professor recolheu as folhas, colocou-se na frente da turma e começou a ler as redações em voz alta.
Todas, sem exceção, definiram o ponto negro tentando dar explicações por sua presença no centro da folha.

Após ler todas, a sala em silencio, ele disse: - Esse teste não será para nota, apenas serve de aprendizado para todos nós.
Ninguém falou sobre a folha em branco. Todos centralizaram suas atenções no ponto negro. Assim acontece em nossas vidas. Temos uma folha em branco inteira para observar, aproveitar, mas sempre nos centralizamos nos pontos negros.

A vida é um presente de DEUS dado a cada um de nós, com extremo carinho e cuidado. Temos motivos pra comemorar sempre. A natureza que se renova, os amigos que se fazem presentes, o emprego que nos dá sustento, os milagres que diariamente nós presenciamos.
No entanto, insistimos em olhar apenas para o ponto negro. O problema de saúde que nos preocupa, a falta de dinheiro, o relacionamento difícil com um familiar, a decepção com um familiar, a decepção com um amigo.

Os pontos negros são tão pouco em comparação com tudo aquilo que temos diariamente, mas são eles que povoam nossa mente.
Tire os olhos dos pontos negros da sua vida. Aproveite cada benção, cada momento que Deus lhe dá.

Creia que o choro pode durar até o anoitecer, mas a alegria logo vem no amanhecer.

Tenha essa certeza, se tranqüilize e seja feliz!!!
 

Bento XVI, um pontificado marcado pela humildade

A simplicidade e a humildade de Bento XVI são reconhecidas em seu Pontificado
Willieny Isaias Da Redação

Teólogo brilhante, Papa do amor, homem culto, exemplo de humildade, homem de grande fé. São com essas palavras que cardeais, bispos e leigos, ao narrarem sua experiência com Bento XVI, expressam seu reconhecimento pelos quase oito anos de pontificado do Papa alemão.
O Cardeal Arcebispo de Aparecida (SP), Dom Raymundo Damasceno de Assis, ao se referir ao Sumo Pontífice, destaca-o como um teólogo brilhante que entrará para a história como o “Papa do amor”, o “Papa do Deus Pequeno”. Segundo o Cardeal, Bento XVI fez do Reino de Deus e da Igreja a razão de sua vida e de seu ministério.
“Ele é um homem de grande fé, e penso que esse seu último gesto foi o momento mais alto dos seus ensinamentos, do seu magistério”, enfatiza o Núncio Apostólico em Israel e Delegado Apostólico, em Jerusalém e na Palestina, Dom Giuseppe Lazzarott. De acordo com o núncio, Bento XVI tem sido um maravilhoso professor e o povo de Deus vai precisar de muitos anos para compreender o que ele tem falado em suas mensagens. “Ao colocar o governo da Igreja em outras mãos, o Pontífice tenta nos dizer que ele está deixando a Igreja nas mãos de Jesus, porque ela é d’Ele; não é propriedade dos homens, muito menos do Papa, mas de Cristo”, reiterou.
Bento XVI, um pontificado marcado pela humildade
O prefeito emérito da Congregação do Clero no Vaticano e ex-arcebispo de São Paulo, Cardeal Dom Cláudio Hummes, ao falar da renúncia do Papa, afirma que “ele nos dá um grande exemplo de humildade, de despojamento, de não estar aferrado ao poder”. Por causa da proximidade que teve com Bento XVI, Dom Cláudio diz que foi possível conhecer a personalidade do Pontífice e, assim, compreender a decisão que tomou.
O Arcebispo de Belém do Pará, Dom Alberto Taveira Corrêa, salienta que a mente mais lúcida e mais competente que existe no mundo, e não só na Igreja, é a de Bento XVI. “Quem ouve uma homilia do Papa, lê seus livros, seus discursos, fica impressionado com a objetividade, a seriedade, a clareza, a brevidade na maneira de expor os seus pensamentos, pois, realmente, ele ajudou a Igreja a dar razão à própria fé”, destaca.
Três semanas antes de Bento XVI anunciar sua renúncia, o Bispo da Diocese de Toulon, na França, Dom Dominique Rey, encontrou-se com o Pontífice e conversaram por volta de uma hora. “O Santo Papa é um homem culto e muito humilde, ele afirmava ser um bispo como outro. Vi ali um homem simples, porém de decisão forte e muito concreto”, testemunhou Dom Rey.
A cofundadora da Comunidade Canção Nova, Luzia Santiago, diz que o Santo Padre deixa para o povo de Deus uma herança de muito encorajamento em seu pontificado. “Tive a graça de, por várias vezes, estar bem pertinho de Bento XVI. Um encontro com a compaixão, com alguém profundamente terno, carinhoso, bondoso e paternal. Um encontro com o amor de Deus Pai”, conclui.
“O testemunho do Papa Bento XVI é luz para a vida consagrada no tempo atual”, afirma o Moderador Internacional da Comunidade Emanuel Laurent Landette. O francês esclarece que a decisão do Papa revela sua humildade, além disso, ensina que é preciso ter um grande desejo de servir a Igreja, porém sem se apropriar da missão e do cargo. “Bento XVI, com sua conduta, ajuda-nos a ver melhor que é preciso servir com simplicidade, pobreza e desapego; de fato, é edificante o testemunho do Papa”, elucidou.
De acordo com Dom Damasceno, o curto período do Pontificado de Bento XVI foi “suficiente para ajudar a Igreja a intensificar a busca da unidade dos cristãos e das religiões, bem como para chamar a atenção do mundo para a necessidade de voltar-se ao Deus criador e Senhor da vida”.

Cátedra de São Pedro

Hoje a Igreja celebra a Cátedra de São Pedro. Para entender um pouco melhor a riqueza do significado da Cátedra, do assento, da cadeira de São Pedro que se encontra na Itália, no Vaticano, na Basílica de São Pedro, encontramos na Sagrada Escritura a autoridade do nosso Papa. No Evangelho de São Mateus, capítulo 6, Jesus pergunta aos Apóstolos e continua a perguntar a cada um de nós: "E vós, quem dizei que eu sou?" São Pedro, em nome dos apóstolos, pode assim afirmar: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo". Jesus então lhe disse: "Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi nem a carne, nem o sangue que te revelou isso, mas meu Pai que está no céus, e eu te declaro: Tu és Pedro e sobre essa pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; eu te darei a chave dos céus tudo que será ligado na terra serás ligado no céu e tudo que desligares na terra, serás desligado nos céus".

Jesus constitui a Igreja sobre o fundamento dos Apóstolos. A fé dos Apóstolos foi transmitida de geração em geração sob a direção do ministério Petrino. Que preside à caridade." (YOUCAT 129). A Pedro foi confiada a missão de ser o primeiro Papa, e desta forma, a todos os sucessores do ministério petrino, capacitados pelo Espírito Santo, presidir a caridade, sendo fonte de unidade e confirmando a verdade da Encarnação, Vida, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo a todos os homens.

O Papa está a serviço da Verdade, e por isso, nós reconhecermos o valor da Cátedra de São Pedro. Não é autoritarismo, é autoridade que vem do Alto, é referência no mundo onde o relativismo está crescendo, onde muitos não sabem mais onde está a Verdade.
Nós olhamos para Cristo, para a Sagrada Escritura, para São Pedro, para este Pastor, então temos a segurança que Deus quer nos dar para alcançarmos a Salvação e espalharmos a Salvação.
Essa vocação é do Papa, dos Bispos, dos Presbíteros, e também de todo cristão.

São Pedro, rogai por nós!
 

Entenda o significado da oração do Pai-Nosso

Há algum tempo, o Arcebispo Primaz do México, Cardeal Norberto Rivera Carreira, fez um estudo aprofundado sobre a oração do Pai-Nosso e a importância de refletirmos sobre cada trecho. Ele destaca que "a confiança singela e fiel, e a segurança humilde e alegre, são as disposições próprias de quem reza o Pai-Nosso". 


"Pai Nosso"
Contém a imagem do Pai que tanto amou o mundo e deu a este o Seu único Filho. E quando da invocação de Pai, acrescentamos "nosso", porque estamos saindo de nosso individualismo e reconhecendo em todo homem a mesma dignidade de que nos glorificamos, de sermos filhos de Deus.

"Que estais no céu" 
Evoca a morada do nosso Pai, o céu, a nossa pátria, nosso destino, porque o Filho desceu do céu para nos fazer subir com Ele por meio de Sua cruz e Sua ressurreição.

"Santificado seja o Vosso nome" 
Pedimos a Deus que Sua santidade se manifeste nos homens, que vença o pecado do mundo, que Sua luz dissipe as trevas do mal e Seu esplendor apareça com maior claridade para que todos os homens O reconheçam.

"Venha a nós o Vosso Reino"
Recordamos que o Reino de Deus é justiça, paz e gozo no Espírito Santo, que os cristãos estão comprometidos a trabalhar intensamente para que os valores do Reino do Senhor sejam vividos no mundo.

"Seja feita a Vossa vontade assim na terra como no céu"
Nós somos radicalmente impotentes para cumprir a vontade do Pai, por isso devemos pedir a Ele que una nossa vontade à de Seu Filho para que possamos cumprir Seus intuitos. Unidos a Jesus e com o poder de Seu Espírito, poderemos fazer a vontade do Pai.

"O pão nosso de cada dia nos dai hoje"
Chama os cristãos a assumir uma responsabilidade efetiva para com seus irmãos, principalmente diante das dificuldades sociais e materiais que abalam a sociedade.

"Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido"
O cristão deve recordar que a misericórdia não pode penetrar em nosso coração até que tenhamos perdoado os que nos ofenderam. E negar o perdão aos irmãos é fechar o coração, mantendo-o duro e impermeável ao amor misericordioso do Pai.

"Não nos deixeis cair em tentação"
Dá-nos a certeza de que a vitória sobre a tentação só é possível mediante a oração.

"Mas livrai-nos do mal"
Remete a uma pessoa: "Satanás, o maligno, o anjo que se opõe a Deus", por quem o pecado e a morte entraram no mundo. O Senhor nos garantiu que só poderemos assegurar a vitória sobre o mal se nos unirmos em Jesus Cristo, porque Ele venceu definitivamente o inimigo com Sua morte e ressurreição.

 Fonte

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Vaticano transmitirá ao vivo o último dia do pontificado do Papa Bento XVI

VATICANO, 21 Fev. 13 / 01:11 pm (ACI/EWTN Noticias).- O último dia do pontificado do Papa Bento XVI, em 28 de fevereiro, será filmado ao vivo pela televisão. Serão suas últimas horas de permanência no Vaticano antes de partir para Castel Gandolfo. Assim o indicou Monsenhor Edoardo María Viganó, diretor do Centro Televisivo Vaticano (CTV).
Mons. Viganó explicou que o embarque do Papa no helicóptero “será um momento histórico”. E para transmitir ao vivo os momentos da partida a Rádio e Televisão Italiana (RAI) também estão se preparando.
As imagens serão transmitidas aos cinco continentes. O CTV, além disso, terá 26 câmeras para acompanhar o conclave e a apresentação do futuro pontífice.
“Estamos pensando em relatar estes momentos respeitando a pessoa do Papa e informando aos fiéis que querem acompanhar Bento XVI neste momento tão importante”.
As câmeras, portanto, estarão no Palácio Apostólico e acompanharão o Papa até as 17 horas, momento em que o pontífice subirá ao helicóptero para partir para Castel Gandolfo, onde três horas depois entrará em vigor sua renúncia e se iniciará o período de Sede Vacante.
Até que ponto as câmeras conseguirão filmar o Santo Padre sem invadir sua privacidade? Monsenhor Viganó, em declarações à agência de notícias ANSA, indicou que, “os detalhes não estão definidos ainda”, embora queira cobrir o máximo possível, passo a passo.
O diretor do CTV, explicou que no domingo passado pela primeira vez uma câmera entrou no estúdio do Papa durante a oração do Ângelus. Este domingo, “conseguimos filmar Bento XVI por trás”, indicou.
“Conseguimos com as imagens passar a ideia do grande abraço entre o Papa e a multidão reunida na praça de São Pedro”. Além de serem passadas ao vivo, as imagens também estarão disponíveis para distribuição.
O encarregado explicou que se reunirá uma documentação histórica extraordinária sobre o último dia do pontificado que poderá ser utilizada por estudiosos, pesquisadores e documentários das redes televisivas.


Pintando o Outro




Objetivo: Dinâmica de auto-conhecimento

  •  Conhecer-se e conhecer o outro
  •  Maior integração do grupo
  •   Despertar curiosidade e interesse pelo outro.


Participantes: Todos os presentes no encontro

Material: Tiras de papel, uma para cada participante, papel e caneta. 

Descrição: 

1. Distribuição de tiras de papel, pedindo que cada um escreva nela o seu nome;

2. Recolhê-los e colocá-los no meio da sala com o nome virado para baixo:

3. Pedir que alguém misture bem os papéis e, depois todos retiram um nome;

4. Pedir que todos se levantem e façam um passeio pela sala lendo os crachás dos presentes para reconhecer a pessoa que sorteou (permanecer em segredo);

5. Distribuir uma folha de papel ofício para cada participante;

6. Cada um desenha o rosto da pessoa sorteada;

7. Exposição de todos os desenhos na sala, na lousa...

8. Leitura dos “símbolos”:
a) o grupo deve identificar os desenhos com os participantes. É imagem do indivíduo perante o coletivo;

b) ver quem acertou. Explicação por parte do desenhista.

9. Tempo para colocações gerais sobre a dinâmica:

a) que conclusões podemos tirar desta dinâmica? Qual o objetivo dela?

b) o que senti ao realizar esta dinâmica?

c) como vi meu companheiro sorteado?

Nota
A revelação poderá, também, ser feita somente no final do encontro, montando um esquema de revelação.

SITE: CATEQUISAR

CÁTEDRA DE SÃO PEDRO

Hoje a Igreja celebra a Cátedra de São Pedro. Para entender um pouco melhor a a riqueza do significado da Cátedra, do assento, da cadeira de São Pedro que se encontra na Itália, no Vaticano, na Basílica de São Pedro, encontramos na Sagrada Escritura a autoridade do nosso Papa. No Evangelho de São Mateus, capítulo 6, Jesus pergunta aos Apóstolos e continua a perguntar a cada um de nós: "E vós, quem dizei que eu sou?" São Pedro, em nome dos apóstolos, pode assim afirmar: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo". Jesus então lhe disse: "Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi nem a carne, nem o sangue que te revelou isso, mas meu Pai que está no céus, e eu te declaro: Tu és Pedro e sobre essa pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; eu te darei a chave dos céus tudo que será ligado na terra serás ligado no céu e tudo que desligares na terra, serás desligado nos céus".

"Jesus constitui a Igreja sobre o fundamento dos Apóstolos. A fé dos Apóstolos foi transmitida de geração em geração sob a direção do ministério Petrino. Que preside à caridade." (YOUCAT 129). A Pedro foi confiada a missão de ser o primeiro Papa, e desta forma, a todos os sucessores do ministério petrino, capacitados pelo Espírito Santo, presidir a caridade, sendo fonte de unidade e confirmando a verdade da Encarnação, Vida, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo a todos os homens.

O Papa está a serviço da Verdade, e por isso, nós reconhecermos o valor da Cátedra de São Pedro. Não é autoritarismo, é autoridade que vem do Alto, é referência no mundo onde o relativismo está crescendo, onde muitos não sabem mais onde está a Verdade.
Nós olhamos para Cristo, para a Sagrada Escritura, para São Pedro, para este Pastor, então temos a segurança que Deus quer nos dar para alcançarmos a Salvação e espalharmos a Salvação. 
Essa vocação é do Papa, dos Bispos, dos Presbíteros, e também de todo cristão. 

São Pedro, rogai por nós!

http://catecismojovem.blogspot.com.br/

Via Sacra para crianças - 14 Estaçoes

A Via Sacra normalmente é rezada as Quartas-feiras e Sextas-feiras no período da Quaresma,  para relembrar a paixão e morte de Cristo.Também é costume realizar a via-sacra e a procissão do Senhor morto na Sexta-feira Santa.
Via Sacra



As ilustraçoes da Via Sacra são do artista Reynaldo Batista do Blog Reynaldoarts

Vivendo a Quaresma



Durante este tempo especial de purificação, contamos com uma série de meios concretos que a Igreja nos propõe e que nos ajudam a viver a dinâmica quaresmal.

Antes de tudo, a vida de oração, condição indispensável para o encontro com Deus. Na oração, se o cristão inicia um diálogo íntimo com o Senhor, deixa que a graça divina penetre em seu coração e, a semelhança de Santa Maria, se abra à ação do Espírito cooperando com ela com sua resposta livre e generosa (ver Lc. 1,38).
Como também devemos intensificar a escuta e a meditação atenta à Palavra de Deus, a assistência freqüente ao Sacramento da Reconciliação e a Eucaristia, e mesmo a prática do jejum, segundo as possibilidades de cada um.
A mortificação e a renúncia nas circunstâncias ordinárias de nossa vida também constituem um meio concreto para viver o espírito de Quaresma. Não se trata tanto de criar ocasiões extraordinárias, mas bem, de saber oferecer aquelas circunstâncias cotidianas que nos são incômodas, de aceitar com alegria os diferentes contratempos que nos apresenta o dia a dia. Da mesma maneira, o saber renunciar a certas coisas legítimas nos ajuda a viver o desapego e o desprendimento. Dentre as diversas práticas quaresmais que a Igreja nos propõe, a vivência da caridade ocupa um lugar especial. Assim nos recorda São Leão Magno: “estes dias de quaresma nos convidam de maneira apremiante ao exercício da caridade; se desejamos chegar à Pascoa santificados em nosso ser, devemos por um interesse especialíssimo na aquisição desta virtude, que contém em si as demais e cobre multidão de pecados”.
Esta vivência da caridade deve ser vivida de maneira especial com aqueles a quem temos mais próximos, no ambiente concreto em que nos movemos. Assim, vamos construindo no outro “o bem mais precioso e efetivo, que é o da coerência com a própria vocação cristã” (João Paulo II)
Como viver a Quaresma
1. Arrependendo-me de meus pecados e confessando-me.
Pensar em quê ofendi a Deus, Nosso Senhor, se me dói tê-lo ofendido, se estou realmente arrependido. Este é um bom momento do ano para realizar uma confissão preparada e de coração. Revise os mandamentos de Deus e da Igreja para poder fazer uma boa confissão. Sirva-se de um livro para estruturar sua confissão. Busque tempo para realizá-la.
2. Lutando para mudar:


Analise sua conduta para conhecer em quê esta falhando. Faça propósitos para cumprir dia a dia e revise à noite se os alcançou. Lembre-se de não colocar muitos propósitos porque será muito difícil cumpri-los todos . Deve-se subir as escadas de degrau em degrau, não se pode subir toda ela de uma só vez. Conheça qual é o seu defeito dominante e faça um plano para lutar contra ele. Teu plano deve ser realista, prático e concreto para poder cumpri-lo.



3. Fazendo sacrificios:
A palavra sacrifício vem do latim sacrum-facere, significa “fazer sagrado”. Então, fazer um sacrifício é fazer alguma coisa sagrada, quer dizer, oferecê-la por amor a Deus, porque o ama, coisas que dão trabalho. Por exemplo, ser amável com um vizinho com quem você não simpatiza ou ajudar alguém em seu trabalho. A cada um de nós há algo que nos custa fazer na vida de todos os dias. Se oferecemos isto a Deus por amor, estamo fazendo sacrifício.
4. Oração:
Aproveite estes dias para rezar, para conversar com Deus, para dizê-lo que o ama e que quer estar com Ele. Pode ser útil um bom livro de meditação para Quaresma. Você pode ler na Bíblia passagens relacionadas com a quaresma.

Orações da Quaresma

Pai nosso, que estais no Céu,
durante esta época de arrependimento,
tende misericórdia de nós.
Com nossa oração, nosso jejum e nossas boas obras,
transformai nosso egoísmo em generosidade.
Abri nossos corações à vossa Palavra,
curai nossas feridas do pecado,
ajudai-nos a fazer o bem neste mundo.
Que transformemos a escuridão
e a dor em vida e alegria.
Concedei-nos estas coisas por Nosso Senhor Jesus Cristo.
Amém.

Oração do Fiat
Santa Maria, ajuda-me a esforçar-me
segundo o máximo de minha capacidade
e o máximo das minhas possibilidades
para assim responder ao Plano de Deus
em todas as circunstâncias concretas da
minha vida. Amém.

Para ser Melhor
Auxílio dos pecadores,
sempre disposta ao perdão
e a intercessão,
obtém-me as graças
que me sejam necessárias
para encaminhar retamente minha vida,
rejeitar energicamente o pecado,
fugir de suas ocasiões
e colocar os melhores meios
para purificar-me
segundo o desígnio divino
e assim encaminhar-me
em direção daquele que é
a própria Vida
Amém.

Diante as Tentações
Mãe querida acolhe-me em teu regaço,
cobre-me com teu manto protetor
e, com esse doce carinho
que tens por teus filhos
afasta de mim
as ciladas do inimigo,
e intercede intensamente
para impedir que
suas astúcias me façam cair.
A ti me confio
e em tua intercessão espero.
Amém.

Para Viver o Perdão
Diante das dúvidas sobre ti
respondeste com o perdão.
Diante da perseguição
e das muitas murmurações
respondeste com o perdão.
Diante da insídia e da ímpia ofensa,
respondeste com o perdão.
Diante da infâmia da conspiração
contra o Justo,
respondeste com o perdão.
Diante da traição
e da dor que esta traz,
respondeste com o perdão.
Mãe de Misericórdia,
teu coração bondoso
transborda de clemência,
por isso te imploro que me obtenhas o perdão
pelos muitos males que fiz,
e também,
ó Mãe,
ensina-me a perdoar como Tu,
que, diante de tantos males
que te fizeram,
inclusive arrebatar do teu lado
teu divino Filho
sempre respondeste
com o mais magnânimo perdão.
Amém.


quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Bolsinha para Páscoa e Pentecostes

Boa Tarde Povo de Deus!

Hoje vim compartilhar a bolsinha que fiz.  Ano passado eu fiz os livrinhos da Semana Santa, esse ano resolvi fazer a bolsinha para embalar os livrinhos e quem sabe colocar alguma gostosura dentro. 
Espero que gostem, e para quem desejar fazer, deixo os moldes. Caprichem!!! 
Eu fiz bem grandona, 1 folha de EVA para cada bolsa.  Mas  podem adaptar a ideia e diminuírem, ou fazer em cartolina ou ainda em TNT.

Paz de Cristo!!!

SETE PEDRAS FUNDAMENTAIS DA CATEQUESE

Olá Povo de Deusl! 
Todos que me acompanham sabem que estou sempre que posso estou envolvida em algum projeto com a Angela Rocha do blog Catequista Amadora.
Atualmente,estou participando de um curso virtual que ela está ministrando no facebook sobre Itinerário Catequético,  e com autorização dela venho partilhar este post que para mim foi esclarecedor, espero que ajude mais alguém!
EXPLICANDO A SETE PEDRAS FUNDAMENTAIS DA CATEQUESE
 "Vamos lá... Vamos tentar destrinchar esse negócio das SETE PEDRAS FUNDAMENTAIS da catequese...
Primeiro eu descobri que havia um DIRETORIO GERAL PARA A CATEQUESE: O DGC, criado em 1997 pelo Vaticano, mais especificamente pela Congregação para o Clero. Este DIRETÓRIO substituiu o DCG (Diretório Catequético Geral)de 1971, criado por orientação do CONCILIO VATICANO II.  Ambos fazendo parte daquilo que chamamos de MAGISTÉRIO DA IGREJA.
E com base neste último, no DGC de 1997,  a CNBB se reuniu em 2005 e criou o NOSSO. O diretório tupiniquim, brasileiro. Que chamamos carinhosamente de DNC, Diretório Nacional de Catequese. O próprio DGC orienta que cada Igreja particular construa o SEU diretório, orientado às suas realidades e especificidades. E em setembro de 2006, a Congregação para o Clero e a Congregação para a Doutrina da fé, instâncias maiores da nossa Igreja, aprovaram o texto do nosso diretório, publicado em 2006. Lembrando que no ano seguinte,  aconteceu no Brasil a V Conferência do CELAM, em Aparecida, cujo texto conclusivo também é de suma importância para a catequese do Brasil.
Mas vamos voltar as nossas pedras fundamentais... O texto do DGC as cita, por coincidência, no ITEM 130, também.
Agora vamos ao nosso DNC, no item 129 e 130...
129. Na mensagem cristã, há uma hierarquia de verdades e de normas, segundo a diversidade de seu nexo com o fundamento da fé cristã (cf. UR 11, 3). Algumas são mais fundamentais que outras. Seguindo as grandes linhas do Catecismo da Igreja Católica e seu Compêndio, podemos resumir assim o conjunto das verdades que professamos em nossa fé:
a)  crer em Deus, uno e trino, pai, filho e Espírito Santo, em seu mistério de Salvação; (O símbolo, Creio)
b)  celebrar o mistério pascal nos sacramentos, que têm o Batismo e a Eucaristia como centro; (sacramentos)
c)  viver o grande mandamento do amor a Deus e ao próximo, buscando a santidade; (Bem- aventuranças e os mandamentos).
d)  rezar para que o reino de Deus se realize. (Oração do Pai Nosso).
Ora, o que vemos aqui como fundamento da fé cristã? 
1 - Acreditar em Deus e no mistério da Salvação, PORTANTO, professar o CREDO: “Creio em Deus pai todo poderoso...”;
2 – Celebrar o mistério nos sacramentos, PORTANTO, batismo e eucaristia que se celebra na LITRUGIA;
3 – Viver o mandamento do amor, PORTANTO, seguir os conselhos das bem-aventuranças e obedecer  aos 10 mandamentos;
4 – Rezar, PORTANTO, orar como Jesus nos ensinou, a oração do Pai-Nosso.
Estas são, portanto, as QUATRO primeiras colunas da fé, as quatro bases primeiras do que se deve ensinar na catequese: CREIO; SACRAMENTOS; MANDAMENTOS E BEM-AVENTURANÇAS; e a oração do PAI NOSSO.
Não é isso que “ensinamos” aos nossos catequizandos??
Agora vamos ao item 130:
130. Esses conteúdos se referem à fé crida, celebrada, vivida e rezada, e constituem um chamado à educação cristã integral (cf. DGC 122). A estas quatro colunas da exposição da fé que provêm da tradição dos catecismos (o símbolo, os sacramentos, as bem-aventuranças-decálogo e o Pai-nosso), deve-se acrescentar a dimensão narrativa da História da Salvação, com suas três etapas, que provêm da Tradição patrística (o Antigo Testamento, a vida de Jesus Cristo e a História da igreja). O Diretório Geral para a Catequese fala de “sete pedras fundamentais, base tanto do processo da catequese de iniciação como do itinerário contínuo do amadurecimento cristão” (n. 130; cf. 128).
Aqui nos é orientado a acrescentar à nossa catequese, a dimensão NARRATIVA da História da Salvação, ou seja,  as TRÊS ETAPAS que provem da tradição dos antigos santos padres:
1 – Antigo Testamento,
2 – Vida de Jesus (Novo testamento);
3 – História da Igreja (magistério, tradição).
E não é isso que fazemos em todos os nossos encontros?  
Lemos a Bíblia.Contamos a História da Salvação que começa na criação e segue com a primeira aliança de Deus com Noé, passa por Abraão, Moisés e chega, finalmente, na “nova e eterna aliança” celebrada por Jesus Cristo na última  ceia... E a esta dimensão acrescentamos os aspectos da Tradição: devoção aos santos, devoção Mariana, terços, costumes; e o que ensina e prescreve o magistério da Igreja em seus documentos, entre eles, os diretórios catequéticos.
SETE PEDRAS FUNDAMENTAIS:
1 - SÍMBOLO (CREIO)
2 –SACRAMENTROS
3- BEM AVENTURANÇAS
 E  MANDAMENTOS;
4 –  PAI NOSSO
4
+
1 – Antigo Testamento,
2 – Vida de Jesus (Novo testamento);
3 – História da Igreja (magistério, tradição).
3
=
PEDRAS FUNDAMENTAIS
7
Esta é, portanto, a BASE DO PROCESSO DA CATEQUESE DE INICIAÇÃO E DO ITINERARIO CONTÍNUO DO AMADURECIMENTO CRISTÃO!
Mas, vejam só:
É só a BASE... E não todo o processo! Em cima dela é que construímos o edifício CRISTÃO!
Aqui estamos falando, exclusivamente, do processo de ENSINO da fé. Não estamos excluindo a importância do QUERIGMA e nem da PALAVRA, ou seja, da Bíblia como mensagem de conversão. Ensina-se somente depois que cada um fez a sua experiência pessoal do encontro com Jesus Cristo. E talvez seja essa a fonte dos nossos maiores problemas: estamos tentando colocar colunas, sustentáculos, em terreno que não está firme!"
Ângela Rocha
 

A QUARESMA DO MURALHA

O QUE É O CONCLAVE?


A palavra Conclave vem do latim ‘cum clave’, que significa ‘com chave’.
É uma reunião em que os cardeais permanecem em total clausura e em intensa oração para discernir a vontade de Deus na escolha de um novo papa.
Durante o conclave, os cardeais permanecem todo o período da eleição entre uma residência do Vaticano, a Casa de Santa Marta e a Capela Sistina, onde votam.
Os cardeais não podem ter nenhum contato com o mundo exterior e com os meios de comunicação.
Participam do Conclave todos os cardeais do mundo todo, com menos de oitenta anos.
O Cardeal Tarcisio Bertone, secretário de estado, na inauguração da exposição ‘Habemus Papam’, em Dezembro de 2006, proferiu um discurso falando sobre a importância e o que representa o Conclave para a Igreja.
“Permanece imutável o que é essencial para o ministério do Sucessor de Pedro e, a este propósito, o conclave constitui um momento de importância eloquente. O pranto pela morte do Papa transforma-se em expectativa orante durante o conclave, e sucessivamente em alegria pela eleição do novo Papa, quando o Cardeal protodiácono, da varanda central da Basílica de São Pedro, anuncia Urbi et Orbi: ‘Habemus Papam’. Dirijo o meu pensamento ao último conclave, em que foi eleito Bento XVI: a ele, a minha e a vossa deferente homenagem. Morre um Papa, mas não o Papa. Precisamente nesta perspectiva, o conclave assume um único valor espiritual. É prova verificável que, através da cooperação humana dos Cardeais, o Espírito Santo assegura a continuidade da sucessão dos Sumos Pontífices. E não há força nem poder humano que possa interrompê-la; ninguém jamais poderá prevalecer sobre o Papa. Em cada conclave volta a afirmar-se a verdade da promessa de Cristo a Pedro: ‘Sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do Inferno nada poderão contra ela’ (Mt 16, 18)”.


http://a12.com/

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Bento XVI anuncia demissão

 
Cidade do Vaticano (RV) - Bento XVI anunciou esta segunda-feira que se demitirá no dia 28 de fevereiro. Eis o texto integral do anúncio:

Caríssimos Irmãos,

convoquei-vos para este Consistório não só por causa das três canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idóneas para exercer adequadamente o ministério petrino. Estou bem consciente de que este ministério, pela sua essência espiritual, deve ser cumprido não só com as obras e com as palavras, mas também e igualmente sofrendo e rezando. Todavia, no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado. Por isso, bem consciente da gravidade deste acto, com plena liberdade, declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro, que me foi confiado pela mão dos Cardeais em 19 de Abril de 2005, pelo que, a partir de 28 de Fevereiro de 2013, às 20,00 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro, ficará vacante e deverá ser convocado, por aqueles a quem tal compete, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice.
Caríssimos Irmãos, verdadeiramente de coração vos agradeço por todo o amor e a fadiga com que carregastes comigo o peso do meu ministério, e peço perdão por todos os meus defeitos. Agora confiemos a Santa Igreja à solicitude do seu Pastor Supremo, Nosso Senhor Jesus Cristo, e peçamos a Maria, sua Mãe Santíssima, que assista, com a sua bondade materna, os Padres Cardeais na eleição do novo Sumo Pontífice. Pelo que me diz respeito, nomeadamente no futuro, quero servir de todo o coração, com uma vida consagrada à oração, a Santa Igreja de Deus.

Vaticano, 10 de Fevereiro de 2013.

BENEDICTUS PP XVI