sexta-feira, 11 de outubro de 2013

“Maria está presente em cada uma das celebrações eucarísticas"



A celebração solene desta quinta-feira (10) do 8º dia da Novena da Padroeira contou com a presidência do arcebispo metropolitano de Mariana (MG) Dom Geraldo Lyrio Rocha.
O 8º dia da Novena da Padroeira refletiu o tema “Maria: Mulher Eucarística!”.
Dom Geraldo em sua homilia citou a Encíclica do beato João Paulo II sobre a Eucaristia na sua relação com a Igreja, e salienta  como Maria é presente no vivência do sacramento
“Ele(João Paulo II) parte da convicção que ao falar da Eucaristia, “não podemos esquecer Maria porque ela tem uma relação profunda com o santíssimo sacramento. Maria está presente, com a Igreja e como Mãe da Igreja, em cada uma das celebrações eucarísticas”.
aws
O arcebispo de Mariana ainda destacou a fé das pessoas como forma de se unir a Maria.
“A atitude que une o fiel a Maria é a fé, pela qual Maria acreditou no mistério da encarnação, antecipando a fé eucarística da Igreja”.
Refletindo o tema do 8º Dia da Novena da Padroeira, Dom Geral disse ainda que o cristão deve viver a Eucaristia sempre na companhia da Mãe, Maria.
“O vértice da participação de Maria no mistério pascal, do qual a Eucaristia é o memorial, é a experiência desse mistério da parte da Santíssima Virgem. Para nós cristãos, viver o memorial da morte de Cristo na Eucaristia implica também receber continuamente este dom. Significa levar conosco – a exemplo de João – Aquela que sempre de novo nos é dada como Mãe. Significa ao mesmo tempo assumir o compromisso de nos conformarmos com Cristo, entrando na escola da Mãe e aceitando a sua companhia”.
A celebração desta noite contou ainda com o momento da Benção do Santíssimo, procissão dos alimentos, consagração a Nossa Senhora e a oferta das flores à Mãe Aparecida.
Amanhã (11) a Novena da Padroeira celebra o 9º dia com o tema “Maria: Rosto fiel e  orante da Igreja!”
‘Com a Mãe Aparecida seguimos Jesus, nossa luz!’
Encerre a sua noite com o programa ‘Bênção da Noite’ às 23h na programação especial da TV Aparecida. 
Acompanhe às 15h e 19h, a Novena e Festa da Padroeira ao vivo pela TV Aparecida, Rádio Aparecida e na internet pelo A12.com. 
Compartilhe usando a hashtag #PadroeiraDoBrasil

Evangelho do Dia


Evangelho do Dia

Lc 11, 15-26 - Jesus estava expulsando um demônio mas alguns disseram:“É por Belzebu, o príncipe dos demônios, que ele expulsa os demônios”. Outros, para tentar Jesus, pediam-lhe um sinal do céu. Mas, conhecendo seus pensamentos, Jesus disse-lhes:

“Todo reino dividido contra si mesmo será destruído; e cairá uma casa por cima da outra.Ora, se até Satanás está dividido contra si mesmo, como poderá sobreviver o seu reino? Vós dizeis que é por Belzebu que eu expulso os demônios. Se é por meio de Belzebu que eu expulso demônios, vossos filhos os expulsam por meio de quem?
Por isso, eles mesmos serão vossos juízes. Mas, se é pelo dedo de Deus que eu expulso os demônios, então chegou para vós o Reino de Deus.
Quando um homem forte e bem armado guarda a própria casa, seus bens estão seguros. Mas, quando chega um homem mais forte do que ele, vence-o, arranca-lhe a armadura na qual ele confiava, e reparte o que roubou. Quem não está comigo está contra mim. E quem não recolhe comigo dispersa”.
Quando o espírito mau sai de um homem, fica vagando em lugares desertos, à procura de repouso; não o encontrando, ele diz: “Vou voltar para minha casa de onde saí”.
Quando ele chega, encontra a casa varrida e arrumada. Então ele vai, e traz consigo outros sete espíritos piores do que ele. E, entrando, instalam-se aí. No fim, esse homem fica em condição pior do que antes”.
Meditação
Sua presença inspira paz e tranquilidade? - Estou realmente com Jesus? Peço com frequência a luz e a força de Deus? - Meu testemunho é de quem ajuda a ajuntar, a recolher, ou a espalhar para longe? - Peçamos que Jesus nos fortaleça na fé, para que sejamos “discípulos missionários” do Evangelho no meio em que vivemos.

Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R

Quando falamos dos outros, revelamos quem somos

Um material de formação pedagógica traz uma frase sobre a qual deveríamos meditar com cuidado. É assim: “Quando João fala de Pedro, ficamos sabendo mais a respeito de João do que de Pedro.”  E não é verdade? João pode até estar dizendo algo que não é verdadeiro a respeito de Pedro mas, ao falar, revela suas idéias, as atitudes que valoriza, seus preconceitos ou sua capacidade de acolher o outro.
            Por isso fico muito contente quando vejo que esforços a favor do ecumenismo e do diálogo inter-religioso estão incentivados nos nossos documento e se tornam visíveis em tantas atividades dentro da nossa Igreja. Eles me dizem coisas bonitas sobre a nossa maturidade católica. Nossa Igreja sabe bem que, sendo a maior e a que tem uma tradição mais solidamente ligada à herança apostólica, a ela cabe uma responsabilidade especial de trabalhar pela unidade. Curar feridas de tantos séculos é algo que exige maturidade, caridade e, sobretudo, muita fidelidade ao desejo explícito de Jesus. E que bom é podermos ver isso na nossa Igreja!
            O evangelho mesmo nos diz que “a boca fala daquilo de que o coração está cheio” (Mt 12, 34). Então é preciso educar o coração para que as palavras se tornem adequadas para a construção da unidade e da paz. Para isso precisamos de um bom conhecimento dos temas que vamos abordar, seja na catequese, seja em nossas conversas com parentes, amigos, vizinhos.  Nosso Diretório para a Aplicação dos Princípios e Normas sobre o Ecumenismo, elaborado pelo Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, nos diz em seu número 61a, como orientação para a catequese :
            Ao falar das outras Igrejas e Comunidades Eclesiais, é importante que se apresente, de forma correta e leal o seu ensinamento. Entre os elementos que constituem a própria Igreja e a vivificam, há muitos e de grande valor, que podem existir para além dos limites visíveis da Igreja católica. O Espírito de Cristo não recusa, pois, servir-se destas comunidades como meios de salvação. Esta atitude põe em evidência as verdades da fé comuns às diferentes confissões cristãs. E isso ajuda os católicos, por um lado, a aprofundar sua fé e, por outro, a conhecer melhor e estimar os outros cristãos, facilitando assim a busca, em comum, do caminho da unidade plena na verdade total.”
            E lembra também no número 61d/e:
            “Além disso, a catequese terá esta mesma dimensão ecumênica se se esforçar por preparar as crianças e os jovens e também os adultos para viverem em contato com outros cristãos, formando-se como católicos e respeitando a fé dos outros.”
            “Pode-se conseguir esta formação discernindo as possibilidades oferecidas pela distinção entre as verdades da fé e as formas de se exprimirem; pelo esforço mútuo de conhecimento e de estima dos valores presentes nas respectivas tradições teológicas; pelo fato de mostrar claramente que o diálogo criou novas relações que, bem compreendidas, podem levar à colaboração e à paz.”
            Tudo isso precisa ser feito com bastante responsabilidade, com uma formação continuada que nos faça discernir melhor o que é busca legítima de unidade e o que é confusão de quem não conhece bem o terreno em que caminha. Mas vale a pena, por muitos motivos: atende ao pedido de Jesus, nos faz conhecer melhor a nossa própria identidade, cria um clima de construção de paz e colaboração fraterna e até comunica uma imagem bonita da nossa tradição católica.
 
Therezinha Cruz

12/Outubro - Dia de Nossa Senhora da Conceição Aparecida!

No dia 12 de outubro, comemoram-se três datas, embora poucos lembrem-se de todas elas: Nossa Senhora Aparecida, padroeira oficial do Brasil, o Dia das Crianças e o Descobrimento da América. Nosso feriado nacional, no entanto, deve-se somente à primeira data, e, embora a devoção à santa remonte aos idos do século XVIII, só foi decretado em 1980.
Há duas fontes sobre o achado da imagem, que se encontram no Arquivo da Cúria Metropolitana de Aparecida e no Arquivo Romano da Companhia de Jesus, em Roma.
Segundo estas fontes, em 1717 os pescadores Domingos Martins García, João Alves e Filipe Pedroso pescavam no rio Paraíba, na época chamado de rio Itaguaçu. Ou melhor, tentavam pescar, pois toda vez que jogavam a rede, ela voltava vazia, até que lhes trouxe a imagem de uma santa, sem a cabeça. Jogando a rede uma vez mais, um pouco abaixo do ponto onde haviam pescado a santa, pescaram, desta vez, a cabeça que faltava à imagem e as redes, até então vazias, passaram a voltar ao barco repletas de peixes. Esse é considerado o primeiro milagre da santa. Eles limparam a imagem apanhada no rio e notaram que se tratava da imagem de Nossa Senhora da Conceição, de cor escura.
Durante os próximos 15 anos, a imagem permaneceu com a família de Felipe Pedroso, um dos pescadores, e passou a ser alvo das orações de toda a comunidade. A devoção cresceu à medida que a fama dos milagres realizados pela santa se espalhava. A família construiu um oratório, que, logo constatou-se, era pequeno para abrigar os fiéis que chegavam em número cada vez maior. Em meados de 1734, o vigário de Guaratinguetá mandou construir uma capela no alto do Morro dos Coqueiros para abrigar a imagem da santa e receber seus fiéis. A imagem passou a ser chamada de Aparecida e deu origem à cidade de mesmo nome.
Em 1834 iniciou-se a construção da igreja que hoje é conhecida como Basílica Velha. Em 06 de novembro de 1888, a princesa Isabel visitou pela segunda vez a basílica e deixou para a santa uma coroa de ouro cravejada de diamantes e rubis, juntamente com o manto azul. Em 8 de setembro de 1904 foi realizada a solene coroação da imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida e, em 1930, o papa Pio XI decreta-a padroeira do Brasil, declaração esta reafirmada, em 1931, pelo presidente Getúlio Vargas.
A construção da atual Basílica iniciou-se em 1946, com projeto assinado pelo Engenheiro Benedito Calixto de Jesus. A inauguração aconteceu em 1967, por ocasião da comemoração do 250.º Aniversário do encontro milagroso da imagem, ainda com o templo inacabado. O Papa Paulo VI ofertou à santa uma rosa de ouro, símbolo de amor e confiança pelas inúmeras bênçãos e graças por ela concedidas. A partir de 1950 já se pensava na construção de um novo templo mariano devido ao crescente número de romarias. O majestoso templo foi consagrado pelo Papa, após mais de vinte e cinco anos de construção, no dia 4 de julho de 1980, na primeira visita de João Paulo II ao Brasil. 
A data comemorativa à Nossa Senhora Aparecida (aniversário do aparecimento da imagem no Rio) foi fixada pela Santa Sé em 1954, como sendo 12 de outubro, embora as informações sobre tal data sejam controversas. É nesta época do ano que a Basílica registra a presença de uma multidão incontável de fiéis, embora eles marquem presença notável durante todo ano.
A imagem encontrada e até hoje reverenciada é de terracota e mede 40 cm de altura. A cor original foi certamente afetada pelo tempo em que a imagem esteve mergulhada na água do rio, bem como pela fumaça das velas e dos candeeiros que durante tantos anos foram os símbolos da devoção dos fiéis à santa. Em 1978, após o atentado que a reduziu a quase 200 pedaços, ela foi reconstituída pela artista plástica Maria Helena Chartuni, na época, restauradora do Museu de Arte de São Paulo. Peritos afirmam que ela foi moldada com argila da região, pelo monge beneditino Frei Agostinho de Jesus, embora esta autoria seja de difícil comprovação.
Seja qual for a autoria da imagem ou a história de sua origem, a esta altura ela pouco importa, pois as graças alcançadas por seu intermédio têm trazido esperança e alento a um sem número de pessoas. Se quiser saber mais detalhes sobre a Basílica e sua programação, visite o site www.santuarionacional.com.br, no qual também é possível acender uma vela virtual. E já que a fé, assim como a internet, não conhece fronteiras, eu já acendi a minha, por um mais paz e igualdade no mundo. Acenda a sua e que Nossa Senhora Aparecida nos ouça e ilumine o mundo, que está precisando tanto de cuidados.
Além da farta pescaria, muitos outros milagres são atribuídos à Nossa Senhora Aparecida. Veja alguns abaixo:

A libertação do escravo Zacarias
O escravo Zacarias havia fugido de uma fazenda no Paraná e acabou sendo capturado no Vale do Paraíba. Foi caçado e capturado por um famoso capitão do mato e, ao ser levado de volta, preso por correntes nos pulsos e nos pés, e como passassem perto da capela da Santa, pediu permissão para rezar diante da imagem. Rezou com tanta devoção que as correntes milagrosamente se romperam, deixando-o livre. Diante do ocorrido, seu senhor acabou por libertá-lo. 

O cavaleiro ateu
Um cavaleiro que passava por Aparecida, vendo a fé dos romeiros, zombou deles e tentou entrar na igreja a cavalo para destruir a imagem da santa. Na tentativa, as patas do cavalo ficaram presas na escadaria da igreja. Até hoje pode-se ver a marca de uma das ferraduras em uma pedra, na sala dos milagres da Basílica Nova. 
A cura da menina cega Uma menina cega, ao aproximar-se, com a mãe, da Basílica, olhou em direção a ela e, de repente, exclamou "Mãe, como aquela igreja é bonita." Estava enxergando, perfeitamente curada.  Baseado no artigo de Márcia Busanello.
ORAÇÃO
Querida Mãe Nossa Senhora Aparecida,
Vós que nos amais e nos guiais todos os dias,
Vós que sois a mais bela das Mães;
a quem eu amo com todo o meu coração, eu Vós peço mais uma vez, que me ajudeis a alcançar essa Graça; (Pedir a Graça com fé); por mais dura que ela seja, Sei que Vós me atendereis e me acompanhareis sempre, até a hora de minha morte, Amém.

(Rezar 1 Pai Nosso, 3 Ave Maria e fazer o sinal da Cruz)

Fonte: site Ao Mestre Com Carinho - www.aomestrecomcarinho.com.br