terça-feira, 31 de dezembro de 2013

ANO NOVO...VIDA NOVA...

...em Cristo Jesus

Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.




Há muitas maneiras de celebrar o ano novo. Em alguns países, lançam-se foguetes e bombas em volta da casa para afugentar os maus espíritos e, dentro dela, prepara-se um grande banquete. É realmente grande porque há mais comida do que aquela que podem comer os moradores da casa e seus familiares e convidados. Sua abundância deseja ser sinal da fartura que o ano novo trará.

Nós, católicos, também desejamos iniciar a ano repleto de bênçãos. Daí a festa. “Ano novo, vida nova”, é como costumamos dizer. Mas, precisamos pensar: como será a nossa vida ao longo deste ano? O dia primeiro de janeiro é dia de festa e de transmitir votos de paz e de esperança. Como fazer com que isso não seja um simples e tímido desejo? Sempre constatamos que o resto do ano são guerras, ódio, violência, exploração e mortes, sem se esquecer das disputas de poder, inveja, calúnia e difamação pelo mero prazer de ver o irmão na berlinda.

H
á mais de um bilhão e quinhentos milhões de pobres no mundo. A data é comemorada também como o Dia Mundial da Paz. Em nosso país, são muitas as expectativas no campo social, político, econômico etc. Deus quer que nosso país seja repleto de sua bênção, nação plenamente fraterna e justa, pois esse é o projeto divino.

Ele sempre se mostrou solidário com os anseios do seu povo, coroando de êxito suas lutas. Mas é, em Jesus Cristo, que essa solidariedade tomou forma definitiva. E é por meio d'Ele, nascido de Maria, que podemos ter a certeza de que o futuro será melhor. Entretanto, não bastam votos e boas intenções.

A proposta de Jesus é exigente envolve
 
todas as pessoas de boa vontade. Quem se compromete com Ele se torna promotor da paz e construtor de uma sociedade nova, de irmãos e de irmãs.
O grande e saudoso Servo de Deus João Paulo II, falando à juventude do Equador, em 1985, afirmou que “se sonhamos com um amanhã diferente, precisamos derrubar as coisas que nos prejudicam de construir o novo.”


Que estas palavras sejam um alerta, não somente para os jovens, mas para todos os homens e mulheres de bem, em todo o mundo, porque acreditamos que todos queremos construir um mundo melhor para todos, num grande esforço em conjunto, para que a paz e a justiça se estabeleçam no Brasil e no mundo. Só assim poderemos dizer realmente, com todas as letras: “ano novo, vida nova". Ano novo e vida sempre nova em Jesus cristo que está sempre no meio de nós e que ilumina a nossa caminhada para uma vida reta e santa, conforme o projeto de Deus!





Mas sempre colocando Jesus à frente de tudo! E seja feliz neste novo ano que se inicia. Muita saúde e muita paz. Transforme-se e seja agente transformador!





Lembre-se que o agente transformador somos nós. "Sejamos no mundo a mudança que queremos ver acontecer"

A Presença Real de Cristo na Eucaristia – Parte 19

eucaristiamemorial
Autor: Pe. Juan Carlos Sack
Fonte: http://www.apologetica.org
Tradução: Carlos Martins Nabeto
[Dando continuidade a esta Série, abordaremos hoje São Gregório Magno, Eulógio de Alexandria, Isidoro de Sevilha e Bráulio de Saragoza].
GREGÓRIO MAGNO
Outro dos grandes Padres da Igreja ocidental. Nasceu em torno de 540. Chegou a ocupar o cargo de Prefeito ou Alcaide da cidade de Roma. Enviado pelo Papa a Constanstinopla como embaixador, foi eleito Papa e exerceu o pontificado entre 590 e 604. Conservam-se numerosas pregações de conteúdo bíblico e pastoral.
Comentando Jó 31,31 (“Por acaso não disseram os homens do meu povo: ‘Quem pode encontrar alguém que não tenha ficado saciado com a sua carne?’”), disse:
- “Esta frase também pode ser entendida misteriosamente na boca do Redentor, pois os varões do seu povo desejaram se saciar com as Suas carnes, quer os judeus perseguidores, quer os gentios fiéis. Isto porque aqueles tramaram extinguir o Seu corpo, como se O consumissem; e estes desejam saciar o seu espírito faminto com as Suas carnes no sacrifício diário da imolação” (Moralia 22,13,26).
É impressionante também – assim como vimos em muitos dos autores citados – o testemunho de Gregório Magno acerca da Eucaristia como recepção diária do sacrifício de Cristo.
EULÓGIO DE ALEXANDRIA
Patriarca de Alexandria de 580 a 607. Notável defensor da primazia da Igreja de Roma. Defensor da doutrina católica contra o Monofisismo e o Nestorianismo.
Estas palavras do orador do século VI respondem as objeções que ouvimos até hoje contra a Missa:
- “O venerando sacrifício que oferecemos do corpo do Senhor não é oblação com vítimas diferentes, mas memória do sacrifício que de uma vez por todas foi oferecido. Disse [Jesus]: ‘Fazei isto em minha memória’” (Homilia dos Evangelhos 14,1).
ISIDORO DE SEVILHA
Homem de vastíssima cultura, desempenhou um papel de protagonista na sociedade e Igreja do seu tempo. Presidiu o Concílio de Toledo de 633. Morreu em 636. Escreveu obras de caráter gramatical, histórico e enciclopédico, entre as quais se sobressai aquela intitulada “Etimologias”.
Falando sobre Melquisedec, diz:
- “Os fiéis [cristãos] já não oferecem aquelas vítimas judaicas como as que ofereceu o sacerdote Aarão, mas como aquelas que Melquisedec, rei de Salém, imolou, a saber, pão e vinho, que é o verdadeiríssimo sacramento do corpo e sangue do Senhor” (Da Fé Católica contra os Judeus 2,27,2).
- “A sabedoria de Deus – Cristo – fez para Si uma casa – a Santa Igreja – na qual sacrificou as hóstias do Seu corpo, na qual misturou o vinho do Seu sangue no cálice do sacramento divino (…) ‘Vinde: comei do Meu pão e bebei do vinho que misturei para vós’ (cf. Provérbios 9,5); isto é: ‘Tomai o alimento do corpo santo e bebei o vinho que misturei para vós’; ou seja: ‘Recebei o cálice do sangue sagrado’” (Da Fé Católica contra os Judeus 2,27,3).
Pregando sobre a necessidade de se conservar o jejum eucarístico (abter-se de comer antes de comungar), diz:
- “Na boca do cristão primeiro entra o corpo do Senhor, antes de todos os demais alimentos” (Do Ofício Eclesiástico 1,18,3).
BRÁULIO
Bispo de Saragoza. Exerceu grande influência nos governantes da Península [Ibérica]. Participou ativamente do Concílio de Toledo. Morreu em 651.
Em uma carta onde responde a algumas perguntas sobre supostas relíquias do sangue de Cristo, escreve:
- “Vamos ao que é verdadeiro e seguro; ao que nenhum cristão autêntico e retamente católico pode pôr em dúvida ou discussão, a saber: segundo as palavras do próprio Senhor e também conforme as Sagradas Escrituras ordenadas pelo Espírito Santo, o pão e o vinho oferecidos a Deus por nós no Sacramento é o corpo e o sangue verdadeiro de Cristo” (Carta 42; “Estudios Onienses”, vol. 1, 2ª ed., J. Madoz, p. 183).

Sagrada Família, Jesus Maria e José – A

Consideremos que a Sagrada Família não foi isenta de muitos dos dramas que qualquer família enfrenta. Mais do que simplesmente idealizar a vida de Jesus, Maria e José, a festa de hoje nos leva a fazer uma reflexão sincera sobre a família.
A primeira leitura nos ensina a viver o respeito aos pais: “Quem honra o seu pai, alcança o perdão dos pecados; evita cometê-los e será ouvido na oração quotidiana. Quem respeita a sua mãe é como alguém que ajunta tesouros. Meu filho, ampara o teu pai na velhice e não lhe causes desgosto enquanto ele vive. Mesmo que ele esteja perdendo a lucidez, procura ser compreensivo para com ele; não o humilhes, em nenhum dos dias de sua vida” (Eclo 3,4-5.14-15). Hoje vemos o egoísmo invadir as relações. Os mais velhos, bem considerados por sua sabedoria nas sociedades orientais, são vistos no Ocidente, em muitos casos, como pesos, como pedras que precisam ser jogadas fora. A Palavra de Deus exorta aos filhos, para que respeitem e cuidem de seus pais, independente de qualquer coisa.
A segunda leitura nos fala de “esposas solícitas” e de maridos convidados a “amar suas esposas” (cf. Cl 3,18-19). As relações homem-mulher não podem ser baseadas na submissão, quando um dos cônjuges sofre calado as arbitrariedades do parceiro. Também se mostra ultrapassado o conceito de complementariedade. Devem ser construídas na reciprocidade: diálogo e compreensão da individualidade de cada um; contribuição mútua para a felicidade de ambos.
O Evangelho nos fala da conhecida fuga no Egito. Os pais de Jesus, que já haviam enfrentado tantos dramas para ter o seu filho, devem agora abandonar às pressas a cidade de Belém e fugir do rei Herodes. Este fato revela que o projeto de Deus se realiza na luta contra o mal: o mal sempre é uma presença marcante, e nós sofreremos as suas consequências, como a família do Menino Deus. Certamente, em nossa vida há muitos casos em que o mal parece reinar. Então resta-nos confiar, não sem a luta, tendo a certeza de que Deus conduz a história mesmo diante dos limites do pecado que leva ao ódio e à morte.

Pe Roberto Nentwig

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Primeira Eucaristia 2013 - Igreja Matriz Senhor Deus Menino

No último dia 24 de novembro de 2013 na Paróquia do Senhor Deus Menino de Ibicaraí-BA realizou a Primeira Eucaristia de 80 crianças e adolescentes que se prepararam durante 2 anos com nossos catequistas que dedicaram todo seu amor a Jesus Eucarístico a essas crianças e adolescentes.
Foi uma festa bastante alegre, a igreja ficou completamente lotada por parentes, amigos e comunidade que prestigiaram mais uma vez o trabalho dos nossos catequistas.
A celebração foi presidida pelo nosso Monsenhor Sebastião, onde agradeceu a todos os catequistas pais e crianças por estarem participando dessa festa maravilhosa, onde ele se despediu onde realizou a sua 33ª Primeira Eucaristia na nossa comunidade, onde ano que vem teremos um novo sacerdote onde irá vim para ser o Administrador Paroquial.
Agradecemos a todos os pais, catequistas e crianças pela festa maravilhosa que nos proporcionaram este ano, ficou marcado nas nossas vidas e nos nossos corações esse grande dia.
Deus tome conta da vida de nossas crianças e seus familiares.
Confira as fotos dessa festa maravilhosa.