terça-feira, 8 de maio de 2012

Vocação Sacerdotal: Um Chamado de Deus.

Monsenhor Sebastião Bezerra de Oliveira
Eu considero que a primeira reflexão deve ser sobre o caráter estritamente sobrenatural do chamado de Deus: foi Ele quem tomou a iniciativa sobre o novo rumo que as vidas dos vocacionados tomarão. Porque não são os vocacionados que escolheram a Cristo, mas sim foi Cristo quem, de uma maneira especial, escolheu-os para que vão por todo o mundo e levem frutos de santificação e de autêntica vivência cristã, e para que todos os frutos permaneçam como um sinal clarividente da intervenção divina (Cf. Jo 15,16).
A vocação sacerdotal e consagrada se apresenta por isso como uma eleição providente de Deus, profundamente gratuita, imprevista e desproporcionada a nossos cálculos e possibilidades humanas.
A vocação sacerdotal é o maior presente que Deus pode depositar nas almas. Do mesmo modo que chamou Pedro, Tiago, João... e foi-lhes dizendo: 'Vem e segue-me', um dia Cristo fixou seu olhar em um homen e disse: 'N., N.,N.,... vem, que eu te farei pescador de homens'. Ninguém respondeu ao sacerdócio por ação humana, mas porque o próprio Cristo no interior de suas almas pronunciou seu nome e os convidou a segui-lo. É um convite a grandes coisas: o que é melhor que ser embaixador do próprio Deus?
Cristo tem necessidade de cada um dos sacerdotes, como teve de Pedro, de Tiago e de João. Os sacerdotes são as mãos, os pés, os olhos, a mente, o coração de Jesus Cristo; são os canais e os meios pelos quais Ele vai comunicar-se à humanidade.
Que honra! Que doce o peso que Ele coloca sobre ombros de cada sacerdote: é o peso imponderável da Redenção, na qual se contém a felicidade pessoal e eterna de cada homem.
Chamado que respeita a Liberdade
Deus respeita em sua integridade o homem e quando chama uma alma a seu serviço, em seu solene poder, nem a violenta, nem a intoxica, mas, com a paciência e amor que em sua revelação podemos contemplar em Jesus, deixa-a quase andar à deriva ou ao sabor das circunstâncias normais que trazem consigo esses processos e situações, e que em seus altos e baixos mal controlados poderiam inclusive determinar a decisão fundamental da alma e comprometer seu desígnio.
Há muitos homens que Deus nosso Senhor preparou amorosamente desde toda a eternidade para que sejam sacerdotes; há muitos homens que Deus chamou para serem sacerdotes; mas nem todos correspondem ao chamado de Deus, porque o chamado de Deus não implica o esmagamento da liberdade da pessoa humana; Deus sempre deixa a liberdade de seguí-lo ou não segui-lo. Cada homem chamado ao sacerdócio é livre, absolutamente livre; cada um deles pode responder a Deus: sim ou não.

Chamado que exige uma resposta pessoal.

Deus chama a cada homem ao sacerdócio para que ele responda; chama a cada um, como pessoa. E a resposta a Deus é uma resposta pessoal. Nunca posso me escusar na falta de generosidade dos outros para justificar minhas atitudes. No caso de que os demais não viverem o cristianismo, de não se entregaram com entusiasmo ao trabalho apostólico, eu não tenho nenhum motivo para ficar atrás... Já dizia a Bíblia: 'Ainda que caiam dez mil à tua direita e dez mil à tua esquerda, tu segue adiante'.

Chamado que implica Santidade

A missão de cada sacerdote é clara e precisa: a santidade urgente! Temos por vocação que nos esforçar para adquirir a consciência de que hoje e amanhã ensinaremos nossos irmãos como ser santos. Alter Christus (Outro Cristo): glorificador do Pai e salvador de almas.
Ser Padre é... Atingir a alegria da vida religiosa Viver com entusiasmo os ensinamentos de Cristo. Propagar o amor fraterno. Promover a partilha na comunidade. Ser mensageiro da Boa Nova. Fazer opção pelos mais desfavorecidos. Alimentar a fé na presença viva de Jesus na Eucaristia. Como Moisés, abrir caminhos de esperança. Dar glória a Deus, nosso criador. Buscar a santificação segundo o exemplo de Cristo. Agir contando com a força do Espírito Santo. Carregar com amor a Cruz de cada dia. Sofrer pela salvação da humanidade. Ser padre é... como diz a canção: Amar como Jesus amou, Viver como Jesus viveu, Sentir o que Jesus sentia.
Padre quer dizer pai. Do Latim, pater/patris = pai - o padre é o pai da comunidade. Aquele que acolhe, ouve, aconselha, orienta, adverte, corrige, quando necessário e alimenta de esperaça os fiéis. O padre também é conhecido como sacerdote, ou então, como presbítero.
O padre é sacerdote (em Latim, sacer = sagrado + dos = dom). Eleoferece a Deus o sacrifício da Eucaristia, memória da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo. É presbítero (em Grego, presbyteros, significa ancião, idoso, experiente) porque como um irmão mais velho, orienta com sabedoria, seus irmãos mais novos, sempre buscando conduzi-los para a maturidade da fé.
Ser padre não é uma profissão, algo que escolhemos, que depende apenas e exclusivamente da decisão da pessoa. Ser padre é vocação. É Deus quem chama os homens para entregarem suas vidas a serviço do Reino. O padre é chamado para ser no mundo uma presença viva de Cristo. Assim, o padre torna-se um “outro Cristo”.
Uma pessoa passa a ser padre a partir da ordenação sacerdotal. É o sacramento da Ordem, ministrado pelos bispos. A partir da ordenação, o padre torna-se um cumpridor do mandato de Cristo: Fazei isto em memória de mim (Lucas 22,19).
Ser padre é um mistério, algo que a razão tem dificulade de explicar. O padre é alguém que foi tirado do meio do povo, consagrado e devolvido ao povo para servi-lo. Por meio de suas ações, o padre deve fazer transparecer o modo de agir de Cristo, como se fosse Cristo mesmo agindo no mundo.
Para fazer com que os fiéis cheguem à maturidade da fé, os padres batizam, perdoam os pecados através do sacramento da Penitência, são testemunhas da Igreja nos sacramentos do Matrimônio e da Unção dos Enfermos. Mas o mais importante é: a cada dia, os padres renovam o sacrifício de Cristo, a Eucaristia, alimento para sua vida e para a dos fiéis (Decreto Presbyterorum Ordinis, sobre o Ministério e a Vida dos Presbíteros, nº. 5).
No entanto, nunca poderemos nos esquecer de que o padre é passível de erros, falhas, limitações e pecados. Enfim, o padre é um ser humano! Mas um ser que busca a graça de Deus, que quer dividir a alegria do seguimento de Cristo com seus irmãos e irmãs.
É preciso tomar muito cuidado com a missão que Deus nos confiou, todos nós ministros do Senhor, um dia haveremos de prestar contas á Deus das ovelhas que ganhamos ou perdemos, pois somos pastores de almas. Ser Sacerdote é manter-se fiel ao chamado, não devemos tomar o lugar de Deus, não devemos ser juízes. Ele é o divino Juíz, não podemos usar este dom gratuito para fins lucrativos pois o Senhor mesmo nos lembra: “Daí de graça o que de Graça recebeis”.       

*Texto Reflexão escrita, Dom Francisco Rodrigues.(Bispo Diocesano do Rio Grande do Norte).

Nenhum comentário:

Postar um comentário