quinta-feira, 29 de novembro de 2012

CATEQUESE, PRIORIDADE? Queremos ação, conversão pastoral...

"Olha eu aqui falando o que escutei por ai, mas temos que falar, pois desta forma pode chegar ao ouvido de todas as "profequistas" que existem neste imenso Brasil. Estava eu em um salão de beleza , quando uma Tia de uma criança comenta que a "profequista" falou que tinha que ir a missa se não perdia ponto e a criança ficou com raiva por que a "profequista" não foi a "dita" ( palavras da tia) missa. Então passar e ficar de recuperação e mais facil ainda , agora ir ou não ir a missa se ganha ponto?!! "... Continue lendo a história da profequista na parte "comentários" na postagem anterior - "Até Quando????"...

Nunca Tinha escutado dessa forma: PROFEQUISTA! (até que ficou legal neh)
Eu não sei quem deixou esse comentário, embora você diga que eu sei, se puder identificar-se, fico feliz, porque sou um tanto quanto curiosa. (iccintra@hotmail.com). Prometo que sua identidade será preservada.
Gostei  da maneira como você inicia seu comentário..."mas temos que falar, pois desta forma pode chegar ao ouvido de todas as "profequistas" "

Quando coloco algo do tipo, não coloco para criar polêmicas, muito menos para falar mal de ninguém, pois tenho o maior respeito pelo trabalho de tantos catequetas que se dispõe de tempo para pensar a catequese. A questão levantada foi: "Será que todo esse trabalho, tantos estudos estão tendo retorno? Será que estão chegando nos ouvidos daquele catequista de base, daquele catequista que não tem acesso à internet, formações diferentes, daquele catequista que não pode tirar ao pão de sua mesa, para adquirir livros, documentos? Esse é o meu grito e  reconheço que sou um pouco tempestiva, que em muitos casos deveria deixar a raiva secar para depois agir. Mas, em se tratando de catequese, que é minha paixão, não consigo me calar diante de coisas que vejo e acabo atropelando um pouco, parece que tenho a obrigação de lutar pelos direitos de tantos catequistas, direito à formação/apoio/orientação/acompanhamento... Sei que isso até me prejudica, queima minha imagem... Mas, quer saber, isso não me preocupa...
* Uma boa pedida, seria uma biblioteca catequética paroquial, assim o catequista teria um lugar pra ter acesso aos estudos e tudo mais... O dízimo que pagamos é também pra isso!!

Essa coisa de tomar as dores, me acompanha desde sempre, foi assim na minha infância nas minhas amizades, no meu trabalho... Tem um fato que me marcou, quando eu trabalhava numa grande empresa na minha cidade, trabalhava na área de comunicação e era encarregada do meu setor. Certo dia, um dos diretores me chamou em sua sala e foi direto: "Imaculada, quero que você demita "aquela" telefonista", porque onde já se viu uma telefonista com esse nome ( e disse o nome dela)"... Aquilo, meu sangue subiu, eu não acreditava que estava escutando algo do tipo... Fiquei por uns minutos em silêncio diante daquele "mostro" de nome bonito. Engoli seco, e disse: "Vou te fazer uma única pergunta, dependendo dela, eu dispenso essa telefonista, o senhor por acaso tem um nome até que bonito (PAULO), mas o senhor pôde escolher seu nome? Se não fosse esse nome e fosse um outro daqueles horrendos, o que faria? Aceitaria ser eliminado da equipe de direção dessa empresa por causa de um nome? Me responda... E mais uma coisinha, se ela for demitida por causa do nome dela, mesmo ela sendo uma das melhores funcionárias, eu me demito junto... Certo? Ele conversou, desconversou e não disse nada... Eu, imediatamente fui ao departamento pessoal e coloquei meu cargo à disposição, caso essa funcionária fosse demitida... Essa funcionária nunca soube disso e não foi demitida, nem eu...srrsr

Saindo desse parêntese, quando escrevo algo assim, escrevo para despertar, para que como minha amiga disse, para que isso chegue à quem precisa. E meu grito tem fundamento, sei e reconheço que tem muitos sacerdotes que tem a catequese como prioridade, mas no geral, pelo que escuto, leio e até mesmo em lugares que tenho ido, dá dó de ver a falta de apoio, lugares onde o padre não passa num encontro de catequistas nem pra dizer um oi, quanto menos pra escutar o que vai ser abordado ali, como tenho ido também em lugares, chamada  pelo próprio pároco , porque ele quer mudar  a catequese em sua paróquia, de novo, insisto, não generalizemos.  Um pároco tem por obrigação encontrar um tempinho para ter com seus catequistas, para no mínimo conhecer o itinerário catequético, qual material é usado, como fazem. Falta de tempo? Isso é inaceitável, assim como é inaceitável um catequista dizer seu SIM e não assumi-lo de fato, só ficando no "venha a nós".

Mas, enfim, nada como um dia tenebroso com uma noite no meio, onde a gente tem a oportunidade de acordar com as forças recobradas, com disposição para continuar lutando por uma catequese melhor. Lembrando que, os catequistas que tem acesso à internet, livros, formações, tem por obrigação de ser agentes multiplicadores, fazendo com que isso chegue aos desinformados.

Beijo grande à todos que passam por aqui. Sua presença, seu comentário é o que me faz ainda ser uma catequista blogueira e ficarei imensamente feliz se em algum lugar desse Brasil um dos meus gritos forem ouvidos...

CATEQUESE, PRIORIDADE??? Me mostre isso nas ações!
a Fé sem obras é morta! Palavras que são só palavras, também!

Nenhum comentário:

Postar um comentário