quinta-feira, 18 de outubro de 2012

MENSAGEM PARA O INÍCIO DO ANO DA FÉ


Com a Carta Apostólica Porta Fidei, o nosso Papa Bento XVI convocou um ANO DA FÉ. Esse iniciou no dia 11 de outubro, durante o Sínodo dos Bispos do mundo inteiro, em Roma, com o tema “A nova evangelização para a transmissão da fé cristã”, data que comemora o 50º aniversário do início do Vaticano II e 20º aniversário da publicação do Catecismo da Igreja Católica, e terminará em 24 de novembro de 2013, Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo...

Com o ANO DA FÉ, o Papa pretende colocar no centro da atenção de toda a Igreja espalhada pelo mundo aquilo que, desde o início do seu Pontificado, está mais em seu coração: o encontro com Jesus Cristo e a beleza da fé n’Ele. 

Por isso o Papa assim se expressa na Carta Porta Fidei que proclama o ANO DA FÉ: “A porta da fé (cf. At 14,17), que introduz na vida de comunhão com Deus e permite a entrada na sua Igreja, está sempre aberta para nós. É possível cruzar este limiar quando a Palavra de Deus é anunciada e o coração se deixa plasmar pela graça que transforma. Atravessar esta porta implica embrenhar-se num caminho que dura a vida inteira. Esse caminho tem início no Batismo (cf. Rm 6,4)” (PF n. 1).  “Possa este Ano da Fé tornar cada vez mais firme a relação com Cristo Senhor, dado que só n’Ele temos a certeza para olhar o futuro e a garantia de um amor autêntico e duradouro” (PF n. 15).

Por outro lado, a Igreja está bem consciente dos problemas que hoje a fé deve enfrentar e sente cada vez mais atual a pergunta que o próprio Jesus colocou: “O Filho do homem, quando voltar, encontrará ainda a fé sobre a terra?” (Lc 18,8). O próprio Papa já afirmava, no discurso para a apresentação dos votos natalícios à Cúria Romana, no dia 22 de dezembro de 2011: “O cerne da crise da Igreja... é a crise da fé. Se não encontrarmos uma resposta para esta crise, ou seja, se a fé não ganhar de novo vitalidade, tornando-se uma convicção profunda e uma força real, graças ao encontro com Jesus Cristo, permanecerão ineficazes todas as outras reformas”. Do mesmo modo, durante a sua recente viagem à Alemanha, tinha observado: ‘Porventura será preciso ceder à pressão da secularização, tornar-se moderno através de uma mitigação da fé? Naturalmente, a fé deve ser repensada e sobretudo vivida hoje de um modo novo, para se tornar uma realidade que pertença ao presente. Para isso ajuda não a mitigação da fé, mas somente o vivê-la integralmente no nosso hoje. Esta é nossa tarefa central: o crer de modo mais profundo e vivo. Não serão as táticas a salvar-nos, a salvar o cristianismo, mas uma fé repensada e vivida de modo novo”.

Todos os(as) catequistas do Brasil, em comunhão com o Papa e toda a Igreja, são chamados a assumir o ANO DA FÉ com toda a força. Por isso, tudo o que somos e faremos ao longo do ano, terá uma grande motivação: REPENSAR E VIVER a fé, respondendo positivamente ao desejo do Papa: “que o ANO DA FÉ, em cada crente, suscite o anseio de confessar a fé plenamente e com renovada convicção, com confiança e esperança” (PF 9).

Também, com o Papa Bento XVI, quero “confiar este tempo de graça à Mãe de Deus, proclamada ‘feliz por que acreditou’ (cf. Lc 1, 45)” (PF15).

Dom Jacinto Bergmann
Arcebispo Metropolitano de Pelotas e
                                    Presidente da Comissão Nacional de Animação Bíblico-Catequética

Nenhum comentário:

Postar um comentário